10 de jul de 2011

O sombrio crepúsculo da natureza – John Stott


As Escrituras ensinam claramente que o homem, em seu estado natural, não-redimido e não-regenerado, é cego. "O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus" (2Co 4.4).

Como qualquer homem pode ver e crer? A fim de responder a essa questão, Paulo faz uma analogia entre a antiga criação e a nova. Ele faz que nossos pensamentos retornem milhões de anos no tempo, ao caos primevo, quando a terra era "sem forma e vazia", e as "trevas cobriam a face do abismo". Tudo era sem forma, sem vida, cheio de trevas, triste e vazio, até que a palavra criativa de Deus trouxe a luz e o calor, a forma e a beleza.

O mesmo acontece com o coração do homem natural que não tem a Cristo. O sombrio crepúsculo da natureza (sua razão e consciência) apenas alivia as trevas que, de outra forma, são impenetráveis, mas tudo é sombrio, vazio e frio, até que a ordem de Deus faça uma nova criação. "Pois Deus, que disse: 'Das trevas resplandeça a luz', ele mesmo brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo" (2Co 4.6).

Fonte: [Ortopraxia]

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...